Como construir um fundo de emergência

fale com o : pelo | via e-mail

Voltar a Página Anterior


Postado dia 2 de janeiro de 2023 por


Como construir um fundo de emergência

Existem alguns princípios da boa saúde financeira que você ouvirá com frequência: “Pague qualquer dívida ruim que esteja arrastando.”, “Não gaste mais do que você ganha,” ou “Construa um fundo de emergência.” Neste artigo nós explicaremos o que é um fundo de emergência, porque ele é tão importante e como você pode criar um.

O que é um fundo de emergência?

A maioria dos especialistas em finanças sugere que você tenha um fundo de emergência com um valor correspondente a cerca de 3 a 6 meses dos seus gastos mensais, caso algo inesperado como um luto familiar, perda de emprego, recessão econômica ou doença ocorra.

Especialistas da administração financeira normalmente recomendam que você pague todas as suas dívidas, exceto hipotecas, antes de começar a economizar, já que qualquer dinheiro que você desvie do pagamento de suas dívidas apenas significa que você as pagará por mais tempo. No entanto, se você tem perguntas sobre qual é a maneira correta de abordar sua situação em particular, considere procurar um planejador financeiro.

Por que um fundo de emergência é importante?

Digamos que você perdeu recentemente o seu emprego e não tem uma reserva de emergência. Suas contas continuam chegando e você está preocupado que não conseguirá pagá-las. Você então recebe uma oferta de emprego para uma posição que paga menos do que você recebia anteriormente e não está nos seus planos de carreira, mas por conta da necessidade financeira, você a aceita de qualquer maneira. Neste caso não ter um fundo de emergência para cobrir seus gastos enquanto você não tem uma renda acaba de ter um grande impacto na sua carreira. Se você tivesse um fundo de emergência, não precisaria aceitar o primeiro emprego que aparecesse.

Reservas de emergência significam que você não precisar entrar em pânico ou tomar decisões que não o beneficiarão no longo prazo. Você pode levar um pouco mais de tempo para encontrar um novo emprego que mantenha seu plano de carreira e ofereça uma remuneração condizente com suas aptidões.

Qual deveria ser o tamanho do meu fundo de emergência?

Para descobrir quanto dinheiro você deveria procurar economizar para ter essa segurança financeira, calcule seus gastos. Se você já não fez esse levantamento para organizar seu orçamento pessoal, some todos os seus gastos por um ano. Entre eles estarão o financiamento do seu imóvel, ou seu aluguel, a compra de roupas, alimentos, educação, medicamentos, entretenimento, transporte, itens para seu pet etc. Lembre-se de incluir pagamentos anuais, trimestrais ou esporádicos como seguros, impostos, cortes de cabelo entre outros.

Uma vez que você descubra esse valor total, divida-o por 12 e calcule o quanto parece mais apropriado para manter seu padrão de vida durante o período de 3 e 6 meses. Um fundo de emergência bem planejado pode parecer conter uma quantidade exorbitante de dinheiro. Então, para reduzi-lo, você pode estimar cortes de alguns luxos que você deixaria de consumir em um caso de emergência real, contabilizando apenas aquilo que é essencial como moradia, comida, transporte e medicamentos.

Se ainda assim o valor parece ser assustador, mire em um montante de dinheiro básico. Para começar, R$1000,00 podem dar conta do recado. Qualquer coisa é melhor do que não ter nada guardado para emergências, e quando você economiza aqueles primeiros R$1000,00, você pode estabelecer uma nova meta mais ambiciosa.

Comece a economizar

Crie uma conta dedicada para suas economias, de preferência em algum local que você não possa acessar muito facilmente, mas ainda assim consiga retirar o dinheiro em caso de emergências. Então, defina uma transferência recorrente de parte do seu pagamento para ser feita à conta assim que você o receber. Pare isso escolha uma porcentagem da sua renda, como 5% ou R$100,00 por mês, e não deixe de poupar.

Quando você deveria usar seu fundo de emergência?

Existem muitas circunstâncias nas quais você pode decidir acessar sua reserva de emergência. Algumas delas são:

Uma vez que já tenha feito a parte mais difícil, que é economizar para construir sua reserva, você pode ficar relutante em retirar o dinheiro quando necessário, mas se você está passando por dificuldades por qualquer motivo e não recebe uma renda no momento, se dê permissão para acessar o fundo sem culpa.

O que você deveria fazer se acabar precisando gastar o seu fundo de emergência?

Assim que encontrar um novo emprego e estabelecer novamente uma renda regular, determine parte dela para reconstruir seu fundo. Uma vez que você alcance a marca dos 3 a 6 meses de reserva, pode começar a direcionar as economias para outros objetivos, como férias, investimentos, compra ou reforma da sua casa. Lembre-se de reavaliar de tempos em tempos quanto dinheiro você precisará ter guardado em seu fundo de emergência, caso sua situação financeira mude de uma maneira significativa. O nascimento de uma criança ou a mudança para uma casa mais cara em uma região com custo de vida mais elevado são fatores que devem ser levados em consideração.

Quer ver mais dicas para manter a saúde mental e dos seus relacionamentos em casa e no trabalho? Leia em Meu Bolso.

E lembre-se, se estiver passando por algum problema ou situação difícil, você pode entrar em contato com o Programa de Apoio ao Empregado em qualquer época do ano. Estamos aqui para cuidar do que importa para você!

Conteúdo inspirado pela LifeWorks e adaptado para a CGP Brasil.

Receba novos posts por e-mail:
Powered by follow.it

Está passando por alguma dessas situações ou precisa de ajuda em alguma outra questão?

Fale com o d .

Este é um recurso exclusivo e foi desenvolvido para ajudar você a melhorar sua saúde mental positiva, sua resiliência e o equilíbrio entre sua vida profissional e sua vida pessoal.

Se você sentir que é uma ameaça para si mesmo ou para outra pessoa, entre em contato com o d ou ligue para o telefone de emergência 190 ou para 188 para falar com o CVV – Centro de Valorização da Vida em todo o território brasileiro.