Saiba como identificar os sinais da depressão pós-parto

fale com o : pelo | via e-mail

Voltar a Página Anterior


Postado dia 5 de abril de 2017 por


Os primeiros dias após dar à luz a um bebê geralmente envolve um misto de emoções confusas para muitas mães. Reações de angústia e tristeza são comuns no puerpério. Afinal, nesse período, o organismo passa por muitas alterações hormonais. Porém, é preciso que a família esteja atenta se esses sintomas perdurarem por mais de 15 dias.

A depressão pós-parto é um transtorno psiquiátrico que provoca sentimentos de extrema tristeza, ansiedade e exaustão, dificultando a realização de atividades cotidianas da mãe, inclusive as de cuidados com o recém-nascido e consigo mesma.

A condição não apresenta uma única causa, mas provavelmente é resultado de uma combinação de fatores físicos e emocionais. Após o parto, os níveis de hormônios (estrogênio e progesterona) no corpo de uma mulher caem rapidamente. Isso leva a alterações químicas em seu cérebro que podem desencadear mudanças de humor.

Além disso, muitas mães são incapazes de obter o descanso que necessitam para se recuperarem completamente após o nascimento da criança. A privação de sono constante, por exemplo, pode levar a um desconforto físico e à exaustão, o que contribui para o desenvolvimento da depressão pós-parto.

Diferenças entre depressão pós-parto e baby blues

O “baby blues” é um termo usado para descrever sentimentos de preocupação, infelicidade e cansaço que muitas mulheres vivenciam depois de darem à luz a um bebê, já que eles exigem muitos cuidados. O “baby blues” afeta até 80% das mães e dura cerca de uma ou duas semanas.

Sintomas do baby blues

– Tristeza sem um motivo aparente
– Irritação
– Sensação de ansiedade
– Mau-humor
– Chorar mais vezes do que o normal ou sem motivo aparente

Já com a relação à depressão pós-parto, os sentimentos de tristeza e ansiedade podem ser extremos e interferir nas atividades rotineiras da mulher. Devido à gravidade dos sintomas, essa condição requer tratamento.

A depressão pós-parto atinge quase 15% das mães e pode surgir no final da gestação ou a qualquer momento após o parto. Mas, geralmente, começa entre uma semana e um mês após o nascimento da criança.

Sintomas da depressão pós-parto

Os sintomas mais comuns da depressão pós-parto incluem:

– Tristeza e sensação de vazio
– Sensação de estar sobrecarregada
– Preocupar-se ou sentir-se excessivamente ansiosa
– Sentir-se mal-humorada, irritada ou inquieta
– Dormir demais, ou ser incapaz de dormir, mesmo quando o bebê está descansando
– Dificuldades para se concentrar, lembrar de detalhes e tomar decisões
– Sentimento de raiva
– Perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas
– Dores físicas, incluindo dores de cabeça frequentes, problemas de estômago e dores musculares
– Comer pouco ou muito
– Evitar o contato com amigos e familiares
– Ter dificuldade de se sentir conectada emocionalmente com o bebê
– Sentir dúvidas persistentes sobre a capacidade de cuidar do bebê
– Vontade de fazer algum mal a si mesma ou ao bebê

Algumas mulheres têm mais probabilidade de sofrer depressão pós-parto?

Sim. Algumas mulheres correm maior risco de desenvolver depressão pós-parto caso apresentam um ou mais dos seguintes fatores de risco:

– Sintomas de depressão durante ou após uma gravidez anterior
– Experiência anterior de depressão ou transtorno bipolar em algum momento da vida
– Um membro da família que tenha sido diagnosticado com depressão ou outra doença mental
– Um evento de vida estressante durante a gravidez ou logo após o parto, como a perda do emprego, a morte de um ente querido, violência doméstica ou doença pessoal
– Complicações médicas durante o parto, incluindo parto prematuro ou ter um bebê com problemas de saúde
– Sentimentos mistos sobre a gravidez, caso ela não tenha sido planejada
– Falta de apoio emocional do cônjuge, parceiro, família ou amigos
– Abuso de álcool ou outras drogas antes ou durante a gravidez

É importante ressaltar que a depressão pós-parto pode afetar qualquer mulher, independentemente da idade, raça, etnia ou status econômico.

Tratamento

O tratamento para a depressão pós-parto é similar ao de uma depressão convencional, e deve ser indicado por um psiquiatra, que irá avaliar e diagnosticar corretamente o transtorno.

A psicoterapia aliada ou não a medicamentos específicos para depressão pode ser bastante eficaz no tratamento da condição. Os medicamentos indicados geralmente são considerados seguros para uso durante a amamentação. No entanto, é importante conversar com o médico e tirar todas as dúvidas sobre os riscos para si e para o bebê.

Se você ou alguém da sua família está sofrendo de depressão pós-parto e tem dúvidas sobre como lidar com a situação, entre em contato com o nosso serviço de apoio. Estamos aqui para ajudá-lo.

Receba novos posts por e-mail:
Powered by follow.it

Está passando por alguma dessas situações ou precisa de ajuda em alguma outra questão?

Fale com o d .

Este é um recurso exclusivo e foi desenvolvido para ajudar você a melhorar sua saúde mental positiva, sua resiliência e o equilíbrio entre sua vida profissional e sua vida pessoal.

Se você sentir que é uma ameaça para si mesmo ou para outra pessoa, entre em contato com o d ou ligue para o telefone de emergência 190 ou para 188 para falar com o CVV – Centro de Valorização da Vida em todo o território brasileiro.